Ticker

6/recent/ticker-posts

Em live, presidente Bolsonaro pede votos para Clarissa na disputa para o Senado


O presidente Jair Bolsonaro (PL), que busca a reeleição, voltou a mostrar identificação com a campanha de Clarissa, candidata ao Senado pelo União Brasil – a exemplo do que já faz em vários eventos quando visita o Estado do Rio. 

Desta vez, Jair Bolsonaro citou Clarissa durante uma live, no começo da noite desta terça-feira (27/09), como um dos candidatos ao Senado Federal pelo Rio de Janeiro que tem seu apoio nas eleições deste ano. 

Enquanto falava, Bolsonaro mostrava aos internautas um cartaz com a foto de Clarissa e o slogan dela na campanha (“É claro que é ela”). Ele também citou outros candidatos que têm seu apoio em vários estados.

Ao contrário de Romário, que, apesar de ser do mesmo partido do presidente, não vem encampando pautas mais identificadas com o campo conservador na disputa ao Senado, Clarissa vem adotando um alinhamento quase completo com o bolsonarismo.  

Entre as propostas mais defendidas por ela nestas eleições, estão: a castração química para estupradores e pedófilos (pauta muito defendida pelo próprio Bolsonaro anteriormente); a redução da maioridade penal; e a Reforma do Judiciário. 

“Sempre que o presidente veio ao Rio, eu estive ao lado dele. Na visita ao polo Gaslub, em Itaboraí; na Marcha para Jesus; na ida a Petrópolis por conta da tragédia que afetou a região... E onde estava o atual senador?”, costuma dizer Clarissa. 

 Também bastante identificado com o bolsonarismo, Daniel Silveira (outro concorrente) foi considerado inelegível pelo Tribunal Regional Eleitoral (RJ) e, por isso, teve seu registro indeferido para as eleições deste ano.

A quatro dias das eleições, a candidata do União Brasil vem ganhando fôlego na disputa. Segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada na segunda-feira, sua candidatura cresceu 4 pontos percentuais, passando de 9% para 13% nas intenções de voto. 

Muito crítica do ex-presidente Lula, Clarissa está atrás, agora, apenas do próprio Romário na corrida para o Senado e à frente de Alessandro Molon (PSB), que tem 12% - embora a conservadora e o socialista estejam em empate técnico.

ASCOM

Postar um comentário

0 Comentários