O que a eleição atual reserva para os próximos anos em Italva?

De um lado, o grupo dos ex-prefeitos Joelson Soares e Margareth do Joelson aposta na candidatura de Isabel Fernandes (PP). Como principal adversário, Léo Pelanca (PSC), novamente, tenta a vitória.


Na última eleição municipal, quando a então candidata Margareth do Joelson (PP) se elegeu prefeita de Italva, existia um cenário político um pouco diferente do atual.


Naquele momento, Margareth do Joelson teve como principal concorrente Leonardo Orato Rangel, o Léo Pelanca (PSC). Ela venceu a eleição com a diferença de apenas 141 votos. Leozinho do Banco, prefeito do município à época, ficou somente na terceira colocação, com 1394 votos – perdendo para as abstenções, que chegaram a 1854.


Com a cassação definitiva dos mandatos de Margareth, e seu vice, Bruno Silva de Souza, o Bruninho (PV), por conta de compra de votos nas eleições de 2016, decidida pelo Tribunal Superior Eleitoral, o nome da vez para representar o grupo é a dentista Isabel Fernandes (PP).


Isabel foi Secretária de Saúde no governo do ex-prefeito Joelson Soares, marido de Margareth, também inelegível, por abuso de poder político.


Joelson ficou inelegível por oito anos, a partir de outubro de 2012 – ano em que tentou a reeleição e foi derrotado.


A decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) publicada em 2014, deu conta de quando era prefeito, Joelson autorizou cirurgias de cesariana pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para grávidas que tivessem domicílio eleitoral em Italva.

De acordo com a sentença, nas guias para a realização dos partos constava "a menção ao número do título eleitoral, o que é descabido, vez que o direito à saúde é assegurado constitucionalmente".


O que não é novidade, é o nome de Léo Pelanca, novamente apresentado pelo PSC como candidato a prefeito. Agora, larga na frente e ­­­­­­­protagoniza a disputa com Isabel e Gerlindo Motoka, com Bruninho e Marcos Mensalão correndo por fora.


Alcirley Lima, prefeito interino desde fevereiro deste ano - quando foi publicada a cassação definitiva pelo TSE da ex-prefeita Margareth do Joelson (PP) e seu vice Bruninho (PV) -, não concorre ao pleito. Alcirley foi o terceiro prefeito de Italva nos últimos quatro anos.


Em dezembro de 2018, o então presidente da Câmara Claudinei Melo, assumiu o executivo após afastamento da prefeita Margareth Do Joelson pelo TRE. Margareth conseguiu voltar ao cargo apenas 12 dias depois, através de uma liminar do TSE. O mesmo TSE que um ano depois cassou em definitivo o mandato de Margareth e Bruninho.


Ao contrário de Margareth, Bruninho não ficou inelegível e concorre à Prefeitura em 2020. O grupo político da ex-prefeita, liderado por seu marido e também ex-prefeito Joelson Soares, aposta na Doutora Isabel Fernandes.


Fica a expectativa para saber, a partir do dia 15 de novembro, qual rumo a população de Italva escolheu.


Leo Pelanca, segundo colocado nas últimas eleições com diferença de apenas 2% - 141 votos -, desponta desta vez na frente. Os fatos de não ter passado político e do grupo vencedor quatro anos atrás ter tido mandato cassado no cargo, pesam a favor.


O Partido Progressista indica já estar sem fôlego, com percurso já criticado até mesmo por pessoas próximas, enquanto Gerlindo sinaliza fôlego de sobra, beirando ao mesmo tempo ao que parece, a alucinidade.


Já estariam prevendo um possível fracasso?


Fonte: A Noticias Italva


Nenhum comentário