Prefeitos eleitos se reúnem para debater a economia na região

http://imagens.ururau.com.br/2016-12-06_16:43:40_prefeitos.jpg
Os prefeitos eleitos nos municípios do Norte Fluminense participaram na manhã desta terça-feira (6) de um encontro promovido pela Firjan, em Campos. Durante o encontro, o cenário econômico da região foi debatido pelos futuros gestores. O Mapa do Desenvolvimento, documento elaborado pelos empresários, foi apresentado aos prefeitos.

Entre os presentes estavam Rafael Diniz; Francimara Barbosa Lemos, prefeita de São Francisco de Itabapoana; Fátima Pacheco, prefeita de Quissamã; Cristiane Cordeiro, prefeita de Carapebus; Gilson Nunes, prefeito de Cardoso Moreira; e Dr. Aluizio, prefeito de Macaé.

Rafael Diniz revelou o que pode ser feito para atrair novos investimentos para Campos e região. “Primeiro temos que começar a solucionar os problemas da cidade. A atual gestão deixou uma prefeitura arrasada. É o que estamos encontrando nesse momento de transição. A partir daí vamos pensar em como resolver os problemas da nossa região. A palavra-chave é parceria. Seja com o setor privado ou seja com o setor público. Todos os prefeitos da região devem estar trabalhando de forma conjunta. Antes de tomar qualquer atitude temos que ter conhecimento da realidade do município, pois a atual gestão não passa nenhuma informação”, frisou.

Ainda de acordo com Rafael, a parceria com a prefeita de São João da Barra, Carla Machado é de fundamental importância, ainda mais tendo como ponto de partida o Porto do Açu. “Por exemplo, o plano de negócios do Porto do Açu. Campos não pode apenas assumir o ônus. Tem que ter o bônus também do Porto. Estamos em Brasília buscando apoio no Governo Federal, assim como parcerias privadas para gerar oportunidades e empregos para nossa cidade”, ressaltou.

A falta de planejamento dos governos anteriores foi um dos pontos citados por Rafael. “Campos não planeja, Campos não projeta. Essa foi a grande dificuldade dos últimos anos. Porque a atual gestão viveu com a ideia de que bastam os royalties para sobreviver. E nós não podemos admitir e temos que buscar novos caminhos para diminuir a chamada royalties dependência”, Concluiu.

Já Fátima Pacheco lembrou que é preciso fazer uma avaliação de tudo que foi feito no município de Quissamã. “Nós não temos de tempo de errar e a população não tem tolerância de esperar. Em Quissamã nós temos o potencial turístico e o potencial agrícola. Temos o comércio que é o segundo maior empregador da cidade e temos o Complexo Logístico de Barra do Furado. Então vamos fortalecer esses setores e buscar novos investimentos”, ressaltou.

Fonte: NF Notícias

Nenhum comentário