ITERJ DISTRIBUI KIT “SALVA LAVOURA” SOMENTE PARA ASSENTADOS

Com um investimento de pouco mais de R$ 600 mil, o Instituto de Terras e Cartografia do Rio (Iterj), vinculado à Secretaria estadual de Habitação, está conseguindo garantir a preservação das produções de assentamentos rurais já regularizados no estado. O kit “Salva Lavoura” composto por bomba, canos e conexões está sendo instalado em produções em cidades como Italva e Campos, das regiões Noroeste e Norte, já atingidas pela falta de chuva. O kit está chegando a 24 assentamentos acompanhados pelo Iterj.

“São 2.456 famílias atendidas pelo Instituto, todas em área rural e dependendo da terra como fonte de renda. Essa ajuda vem em momento crucial não só para os produtores, mas para garantir que não haja desabastecimento de alimentos”, afirma Bernardo Rossi, secretário estadual de Habitação. O programa é experimental, foi iniciado no segundo semestre do ano passado já prevendo um verão de pouca chuva. “Queremos ampliar o programa não só em função da seca, mas para garantir aumento das produções no ano todo em áreas mais áridas”, aponta o secretário.

Cada kit custa em torno de R$ 10 mil a R$ 12 mil, dependendo da fonte de energia da bomba (diesel e eletricidade). Ele engloba ainda os canos e conexões de acordo com o tamanho da propriedade. Eles são de fácil montagem e desmontagem e podem ser rapidamente direcionados a outras regiões quando, onde estão instalados inicialmente, os recursos hídricos voltam ao normal. O kit faz parte do programa de irrigação desenvolvido pelo Iterj em parceria com o BNDES.

Leonardo Lopes, engenheiro agrônomo, especialista em sistemas pressurizados de irrigação, funcionário do Iterj, é responsável pelo projeto. “Todo o processo é feito dentro das normas ambientais e com produtores que já entendam do manuseio de uma irrigação. O kit foi projetado para irrigar até um hectare de terra em poucas horas”, explica.

Em Italva, o assentamento é formado 70 famílias produtoras rurais e também já recebeu o kit. Conceição de Macabu, Japeri e Magé também serão atendidas. Em Campos, onde o assentamento reúne 91 famílias, o kit foi instalado esta semana. Os técnicos do Iterj fazem a colocação dos equipamentos e acompanham o desenvolvimento das lavouras.
“Essa assistência aos assentamentos é permanente. Eles foram regularizados, receberam treinamentos, insumos e equipamentos e o Instituto acompanha o desenvolvimento das produções sempre buscando que os agricultores agreguem conhecimento e tecnologia, o que possibilita aumentar e consolidar suas produções e melhorar de vida”, afirma a presidente do Iterj, Mayume Sone.

Nenhum comentário