Desabafo do Padre David Francisquini sobre o Coronavírus e a Liberdade Religiosa



Fui ensinado durante os meus 15 anos de estudo no seminário a respeitar os superiores e a não querer ensinar o “Padre Nosso pro vigário“, respeito as opiniões, mas também tenho a minha e prezo por isso. Sou contra a imposição ditatorial que está a nos impedir de ir e vir, ferindo a constituição brasileira e as normas centrais do governo federal, bem como a liberdade religiosa, fazendo uma republiqueta do Rio de Janeiro e transformando as pequenas cidades em comunas próprias ao regime bolchevista.
Igreja do Imaculado Coração de Maria, em Cardoso Moreira (RJ) onde o Pe. David exerce sua missão sacerdotal.

Nestes 44 anos aqui em Cardoso Moreira e em tudo quanto li e estudei, nunca vi a igreja ser massacrada assim. O Estado quer dominar a fé, fazendo um terrorismo psicológico.
Querem retirar os direitos de Deus, querem destruir as almas cristãs.

Penso que cada um deve arcar com as suas responsabilidades. Todavia, alguns organismos de saúde estão impondo à população um remédio amargo e descabido. Chegam até mesmo a colocar polícias em frente às igrejas com sirenes ligadas para intimidar os fiéis.

A igreja tem o Depósito da Fé e, por isso, além do bem físico, ela quer o bem espiritual de todos. E não é afastando os fiéis que vamos, nesta hora difícil, ajudar a manter a calma e a tranquilidade.

Precisamos rezar, e rezar muito, pois todo o bom êxito das campanhas de saúde e de proteção da vida humana está em Deus. Se afastamos as almas de Deus, como receberemos dEle as graças necessárias para por fim a tudo isso? É trancando o povo em casa, como prisioneiros, que esperamos resolver tudo?

E os futuros problemas psicológicos, que já estão ocorrendo aqui em nossa cidade e tendem a se agravar mais, serão resolvidos se essas pobres almas, que precisam da Graça de Deus, não podem nem mesmo recorrer ao sacerdote no confessionário ou receber a Sagrada Comunhão, através da qual recebemos o próprio Cristo? E como daremos atendimento aos doentes se somos impedidos?

Como vamos manter uma boa e digna alimentação na mesa dos pobres se todos estão impedidos de buscar o seu sustento, impedidos de trabalhar? E a economia brasileira, como ficará se o giro comercial está bloqueado? Quem pagará as nossas dívidas?
Que futuro daremos as nossas crianças e jovens se não podemos lhes dar a devida educação, pois as nossas escolas estão trancadas?

Somos brasileiros, povo livre e batalhador, povo que luta com força e garra, jamais aceitaremos de boa vontade este regime chinês ditatorial que quebra a liberdade e a dignidade do ser humano e que estão querendo implantar nem nosso país. Como diz o Hino da Independência : “Ou ficar a pátria livre, ou morrer pelo Brasil.”
Com minha bênção, invocando Nossa Senhora da Conceição Aparecida, rainha e padroeira de Cardoso Moreira para que nos livre desta praga chinesa.

Nenhum comentário