Trabalho contínuo impede o crescimento da raiva na região

Clique na foto para ampliá-la

Anualmente, a secretaria de Agricultura de Campos vacina contra raiva cerca de 45 mil animais de pequenos produtores rurais. Para maior eficácia do trabalho, os produtores precisam informar ao órgão municipal o nascimento dos animais. A doença é transmitida através da mordedura de morcegos hematófagos. Um caso de raiva bovina foi confirmado em Campos e um de raiva em equina em Cardoso Moreira. Houve suspeita de um caso em Macaé, mas o exame descartou a hipótese. "Este trabalho de vacinação é contínuo, mas muitas vezes o produtor não avisa o nascimento de um animal. A informação é fundamental. A obrigação da vacina é do produtor, a secretaria de Agricultura apenas ajuda ao pequeno produtor", disse o chefe do Departamento de Veterinária do órgão, Marcelo Sales.

A Defesa Sanitária do Estado é responsável em verificar a ocorrência de raiva e fazer a coleta de amostra de cérebro do animal para análise. Fechado o diagnóstico e confirmada a doença, a Defesa Sanitária comunica à Secretaria Municipal de Agricultura, que, estrategicamente, atua na vacinação de animais da área de surto.

Segundo o órgão municipal, a morte de animais acometidos pela doença é rápida, não dando tempo de qualquer intervenção, como sacrifício. A secretaria também alerta que imediatamente ao óbito, o criador deve comunicá-lo à Defesa Sanitária, para que a causa seja investigada e medidas preventivas possam ser adotadas com os outros animais da área.

Nenhum comentário