Pezão e Lindbergh aceleram pré-campanha ao governo

http://oglobo.globo.com/in/7671601-ff8-6eb/FT500A/mjpegateria_.jpg

O vice-governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o senador Lindbergh Farias (PT) terão, a partir deste mês, tropas de choque espalhadas estado afora. Além de ter a agenda voltada para inaugurações e visitas a obras, Pezão contará com um exército de pelo menos 50 deputados e 75 prefeitos aliados, que servirão de cabos eleitorais. Já Lindbergh ganhará o reforço de militantes em 1.300 núcleos do PT, que já começam a ser criados. O objetivo de ambos não é simplesmente emplacar nas pesquisas, onde aparecem em desvantagem em relação Anthony Garotinho (PR): querem se cacifar internamente para assumir a candidatura, caso PT e PMDB superem as divergências, acentuadas a partir de 2012, e caminhem juntos na disputa estadual de outubro.

Grande festa para Pezão — O grupo de políticos que apoia Pezão organizará reuniões diárias, sempre com a presença do vice-governador, em bairros onde ficam as suas bases eleitorais. Os encontros vão servir para que Pezão “preste contas” da administração de Cabral. “Não parei desde o dia 2 (de janeiro). Hoje (sexta-feira), estou inaugurando obras em Duque de Caxias com o prefeito (Alexandre Cardoso) e com o deputado federal Washington Reis. Vou ter agenda todos os dias. São 24 horas no ar, sem parar”, diz Pezão, cuja estratégia é reforçada por um aliado: “A ideia é tornar o Pezão mais conhecido. Além disso, ele vai apresentar uma prestação de contas para a população do estado de todas a realizações feitas por Cabral”.

Lindbergh, por sua vez, concentrará as atividades em regiões com maior número de eleitores, como Baixada, Zona Oeste e São Gonçalo. O senador também percorrerá cidades em quatro caravanas por mês, o dobro do que vinha fazendo até o ano passado.

Núcleos em sindicatos — Os núcleos do PT serão criados em bairros, escolas, universidades e sindicatos. Lindbergh também continuará com sua peregrinação por cultos e missas em igrejas evangélicas e católicas. Outra prioridade será atrair outros partidos para uma aliança e, com isso, ganhar tempo na TV e no rádio na propaganda eleitoral. Um evento será marcado para o início de fevereiro para o começo da pré-campanha. “Até o fim de março, vou trabalhar para articular uma frente popular com outros partidos para ter um bom tempo de TV. Além disso, quero estruturar um programa de governo que olhe para o povo trabalhador”, revela Lindbergh.

Garotinho reforça atuação para superar rejeição na capital — Na tentativa de minimizar sua rejeição no eleitorado da capital fluminense, principalmente na Zona Sul, o deputado federal Anthony Garotinho (PR) recrutou a própria filha, a deputada Clarissa, para comandar a missão. Só em janeiro, Garotinho programou 60 reuniões na região. “Em março, meu pai também começará a viajar novamente por todo o estado”, revela Clarissa.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário