MOMENTO DE DEFINIÇÃO NO RIO: LINDBERGH AMEAÇADO

MOMENTO DE DEFINIÇÃO NO RIO: LINDBERGH AMEAÇADO

PMDB usa força máxima para tirar senador do páreo para o governo do Rio de Janeiro; vice-presidente Michel Temer tem missão de fazer PT aceitar nome do vice-governador Luiz Fernando Pezão; ex-presidente Lula será procurado; senador Lindbergh Farias tem apoio da máquina partidária chefiada por Rui Falcão, mas presidente Dilma Rousseff prefere aliança com Sergio Cabral; governador até prometeu abrir mão de ser candidato ao Senado para ser moeda de troca com o PT; momento decisivo

O PMDB está jogando de maneira coordenada e firme na operação de tirar o nome do senador Lindbergh Farias, do PT, da eleição para governador do Rio de Janeiro, em outubro. Ontem, o presidente do partido no Estado, Jorge Picciani, apontou a disposição do governador Sergio Cabral de abrir mão de sua candidatura a senador para, em compensação, obter o apoio do PT ao vice Luiz Fernando Pezão.

Na sequência, o vice-presidente Michel Temer foi mobilizado. Ele deverá procurar o ex-presidente Lula para pedir a manutenção da aliança em torno de Pezão. A direção nacional do PT, comandada pelo presidente Rui Falcão, tem se manifestado, em todas as ocasiões de conflito, a favor do nome de Lindbergh, de maneira enfática. A presidente Dilma Rousseff, no entanto, não é exatamente uma fã da candidatura do senador ao governo.

No Palácio do Planalto deixa-se escapar que Lindbergh seria ligado exclusivamente a Lula, sem manter diálogo com Dilma.A disputa pelo governo do Rio é a maior pedra no sapato da aliança nacional entre o PT e o PMDB. Lindbergh não abre mão de sua candidatura, que é rechaçada pelo PMDB. O partido se fixou em torno no nome do vice Pezão há pelo menos quatro anos, quando Cabral e ele foram reeleitos. “Pezão é o candidato com mais preparo e densidade”, resume o presidente Picciani.

Lindbergh, porém, promete não desistir tão facilmente.

Abaixo, nota do jornalista Ilimar Franco, de O Globo, sobre o momento decisivo para Lindbergh:

Agora é Lula

O vice Michel Temer recebeu a missão ontem de tirar a candidatura do PT do caminho do vice do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB). O governador Sérgio Cabral foi taxativo: a presidente Dilma está abaixo de sua média nacional no estado e precisa da unidade dos aliados. O próximo passo de Temer será tratar da sucessão no Rio com o padrinho de Lindbergh Farias, o ex-presidente Lula.

Brasil 247

Nenhum comentário